segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

[Resenha - Editora iD] Memórias de um Amigo Imaginário

Postado por Ju às 17:00
Título: Memórias de um Amigo Imaginário
Autor: Matthew Dicks
Tradução: Silvia Cobelo
Editora: iD

"Enquanto Max acreditar em mim, eu existo. Posso precisar da imaginação do Max para existir, mas tenho os meus pensamentos, as minhas ideias e a minha vida, tudo isso separado dele.”

“Max não gosta de gente da mesma forma que as outras crianças gostam. Ele gosta das pessoas, mas bem de longe. Quanto mais afastado alguém ficar de Max, mais ele vai gostar dessa pessoa.”
“Nós dois não gostamos da Sra. Patterson, mas ultimamente ela e Max estão estranhamente próximos. Isso não é normal, muito menos para alguém como o meu amigo. Ele corre perigo, tenho certeza...”
Uma história apaixonante e dramática sobre amor, lealdade e sobre o poder da imaginação. Perfeita para qualquer um que já tenha tido um grande amigo – real ou não...

Max é um garoto de oito anos que, aparentemente, tem um problema. Está sempre isolado, não gosta de interagir com outras pessoas. Só fala com alguém quando lhe é feita uma pergunta e, se essa pergunta puder ser respondida apenas com sim ou não, com certeza será a resposta que ele dará. Seu mundo interior é bem rico, mas ele não se expressa da mesma forma que os outros, mesmo que seja muito inteligente e criativo. 

Pelo que entendi, ninguém sabe porque Max é diferente das outras crianças. O pai de Max diz que ele é só um menino com desenvolvimento tardio, mas quando diz isso, a mãe do Max fica tão brava que para de falar com ele por pelo menos um dia.

Budo é o amigo imaginário de Max. Existe há cinco anos, o que, no mundo dos amigos imaginários, é uma eternidade. E não é só isso que o difere dos amigos imaginários das outras crianças: é muito raro uma criança imaginar um amigo que pareça humano, com todas as partes do corpo e todos os sentidos funcionando perfeitamente. Mas Max fez isso. Pensou em todos os detalhes e até fez com que seu amigo tivesse algumas habilidades extras, como atravessar portas e janelas e nunca precisar dormir. 

Memórias de um Amigo Imaginário é narrado por Budo. Nem consigo descrever direito o quanto amei a experiência de conhecer algo tão diferente. Conhecemos um ser que simplesmente apareceu do nada quando foi criado, e que tem plena consciência que só existe porque é necessário e porque a pessoa que o criou ainda acredita nele. É comovente acompanhar tudo o que se passa na cabeça do Budo, ele já viu vários seres como ele desaparecerem e tem um medo constante de deixar de existir.

Se soubesse que tem um Paraíso para mim também, (...) eu não estaria com tanto medo, porque teria um lugar para ir depois daqui. O Paraíso, supostamente, é para as pessoas criadas por Deus, e Deus não me criou. Foi Max quem me imaginou.

Como Budo tem as noites livres, acabou adotando alguns lugares: a lojinha de um posto de gasolina, em que vê sempre os mesmos humanos adultos - que considera que sejam seus amigos, mesmo que não saibam de sua existência -; e a sala de convivência de um hospital infantil. Ele descobriu que lá podia fazer muito mais amigos que na escola. 

Os amigos imaginários dessa história podem conversar entre si, desde que tenham a capacidade de se comunicar. Nem todas as crianças levam seus amigos para a aula, pois percebem rápido que ninguém acha justificável que elas estejam "falando sozinhas". Segundo Budo, o jardim de infância é o maior motivo de "morte" entre a sua espécie. Mas nenhuma criança gostaria de passar por uma doença grave sem um amigo, por isso todas as que têm amigos imaginários são acompanhadas por eles ao hospital.

O mundo de Budo é muito rico. Ele, em parte, é inocente como uma criança deveria ser. Mas sabe um pouco mais que Max sobre o mundo, pois assiste a programas de TV com os pais dele, além de conviver com uma realidade diferente em seus passeios noturnos. Então identifica o perigo com muito mais facilidade que seu amigo, mas o que alguém que é invisível aos olhos de todos os outros seres humanos pode fazer para ajudar a pessoa mais preciosa para ele?

Monstros são sempre ruins, mas monstros que não andam nem falam como monstros são os piores.

Max e Budo evoluem bastante no decorrer da narrativa, adorei acompanhar o desenvolvimento deles. Têm que superar seus limites e encontrar toda a coragem possível dentro de si mesmos. Precisam aprender a confiar cada vez mais um no outro, mesmo que isso signifique que seja necessário se separar de vez em quando. 

Sempre houve apenas uma coisa a fazer: a coisa certa. (...) Preciso parar de pensar somente na minha existência. Isso significa que preciso ir embora agora.

O livro flui de uma forma maravilhosa, e o final é surpreendente. Superou bastante minhas expectativas. Memórias de um Amigo Imaginário me encantou, e espero que encante vocês também. =)

A coisa certa a fazer é geralmente a mais difícil.

20 comentários:

  1. Oi Ju!

    Adorei a trama. Parece algo tão puro e singelo, capaz de cativar e comover. Ser criança é mesmo fantástico. Ter a imaginação a seu favor sem preconceitos e amarras. Gostei muito da resenha.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Estou com muita vontade de ler esse livro depois da indicação da Bibs e agora vi mais uma resenha que me deixou com mais vontade ainda de conhecer a história de Max e Budo!
    Gosto muito dessa capa. Parabéns pela resenha!

    Abraços!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  3. Que graça de livro! Meu filhote não tem amigos imaginários, mas às vezes fala sozinho enquanto brinca rs... Achei bem bacana para vermos um pouco desse lado puro e inocente da infância. Até porque ter amigos imaginários é até saudável para a imaginação da criança. Vou procurar pra ler.
    bjos

    ResponderExcluir
  4. Oie Ju!
    Acho que se eu visse esse livro em uma livraria eu não compraria por causa da capa e da sinopse, mas depois de sua resenha ele me chamou a atenção. Parece ser um livro leve e muiito fofo. Acredito que deve ser incrível ver como Max e Budo se relacionam e a narração feita por Budo deve contribuir muiito para compreendermos ele e acredito que o Max ( já que o mesmo não é de falar muito). Enfim fiquei super curiosa e pretendo ler!!! Beijos!

    http://meudiariojk.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Esse livro é simplesmente encantador! Não o conhecia quando ganhei ele de presente, e achei que fosse me deparar com alguma história infantil e boba. Mas os personagens são cativantes, e a narrativa, embora permeada pela inocência de Max e Budo, não é infantilizada, pelo contrário, traz uma bela história de amizade e superação.

    ResponderExcluir
  6. Realmente a proposta desse livro é diferente Ju, nunca tive um amigo imaginário, será que ainda tenho tempo pra isso?? kkkkkk
    Meu filho teve, e acredito que até hoje tem porque já peguei ele falando sozinho várias vezes rsrsrsrs.
    Quero conhecer Budo e seu mundo, e me interar melhor sobre tudo que ele e Max vivem.

    Até mais.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  7. Ju adorei o livro, é uma história bem diferente, e pelo que você falou muito bem criada. Eu já tentei ter vááários amigos imaginários, mas no fim eu sempre esquecia deles, rs. Fiquei morrendo de vontade de ver como é a narrativa e a visão do Budo nessa história toda, e a capa é simplesmente linda. Vou adicionar nos meus desejados.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oiee, adorei o livro, a capa é linda e a historia parece muito emocionante, me identifiquei com Max, sempre fui muito calado e fechado assim como ele, adorei a mistura de vida real com imaginação, com certeza é um livro maravilhoso rs, adorei a resenha, sucesso e abraços

    ResponderExcluir
  9. awn a capa já me chamou a atenção. gostei da resenha. e confesso q não conhecia o livro, parece ser mega emocionante. vou por na minha lista de leitura..

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju!
    Gosto que livros que nós encantam e nos ensinam ao mesmo tempo! Gostei muita da resenha, mas no momento essa obra fica para depois!
    A Capa é linda e a história parece ser também!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Acho a capa desse livro tão lindinha *-*, mas não sei se o conteúdo me agradaria. Chega de chorar por enquanto. haha

    Beijo,
    Pamela.

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Nunca tinha ouvido falar deste livro, mas achei bem diferente essa ideia de quem contar a estória ser um amigo imaginário e deve ser, com certeza uma experiência super nova! Fiquei interessada no livro, deve ser lindo e sua resenha me deixou curiosa para saber que final surpreendente é este que o livro levará! :)

    ResponderExcluir
  13. Oi Ju,
    Esse livro me encantou primeiramente por essa capa tão linda gente, sempre acho que o trabalho da editora caprichando quando o assunto é capa que chamem atenção e conquistam rs.
    Gostei da trama do livro, que nos encanta pelo que eu entendi, que bom que você se surpreendeu no fim, gosto de leituras com um desfecho que nunca esperamos.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  14. Oi Ju, olha lendo sua resenha me lembrei de um filme parecido, mas não lembro o nome o bendito. Lembro somente de ter gostado bastante.
    Bom o gênero deste livro não é bem o meu tipo, mas eu me encantei com a historia, para poder ler aos meus filhos. Como estou tentando levar eles ao mundo da leitura, sempre estou lendo algo para eles antes de dormi.
    Este livro a partir de agora esta na minha lista de compras, pois esta historia merece ser contada aos meus pequenos.
    Ju eu adorei sua resenha, e os quotes separados nossa nos da uma imaginação do que esperar.

    Beijokas Ana Zuky

    http://www.sanguecomamor.com.br

    ResponderExcluir
  15. Oi Ju, primeiramente achei a capa linda. E me encantei pela trama é bem original e parece ser tão encantadora. Gosto de ler esses tipos de livro, pois sempre me lembro da minha infancia, é uma forma de poder voltar a ela.

    Bjs
    Aline Lima
    http://alinenerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Sim, eu tinha vários amigos imáginarios e matei todos...kk
    Simpatizei de cara com Budo e o mundo em que ele vive, me lembrou um pouco a temática de Todo Dia de David Levithan, achei incrível essa ideia dele poder sair a noite e ver como a vida é, além de cuidar do seu criador.
    Se pararmos para pensar nossos únicos amigos 100% verdadeiros são aqueles que nós criamos, quero descobrir o que acontece no final...rs

    ResponderExcluir
  17. eu ameeeeei esse livro, amei mesmo! nao conhecia e ja estou doida pra ler, tenho certeza que nao irei me decepcionar, pois achei super criativo e de grande sensibilidade!

    ResponderExcluir
  18. Olá Ju, tudo bem??
    Nossa este livro estrou para minha lista de desejados depois desta sua resenha, um livro com um lado super emocionante e uma historia que com toda certeza vou querer conferir!!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  19. Ju, leitores da Ju, sou a tradutora deste livro. Que legal que você gostou, eu amei traduzir o texto. A história é muito original e depois ainda fica um thriller, com perseguição e tudo! Eu até chorei no final... Adorei o blog, continue escrevendo, e LENDO!

    ResponderExcluir
  20. Olha, eu detesto o tema "amigo imaginário"... me causa arrepios. Não sei se andei vendo filmes demais, mas acho medonho. A capa é linda, mas não sei se leria.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo seu comentário. =)

Os comentários são moderados, mas sua opinião logo será publicada!

Sejam sempre muito bem-vindos!

 

Entre Palcos e Livros Copyright © 2014 Design by Rebecca Barboza RêVivendo