sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

[Resenha - Planeta] Ruído Branco

Postado por Ju às 15:00 2 comentários
Título: Ruído Branco
Autora: Ana Carolina
Editora: Planeta
Número de páginas: 144

Ana Carolina é uma das mais populares cantoras de MPB na ativa. Em 17 anos de carreira ela já vendeu mais de 5 milhões de discos e acumulou prêmios nacionais além de duas indicações ao Grammy Latino. Seus fãs conhecem seu lado de compositora, arranjadora e pintora, mas em Ruído Branco, seu primeiro livro, eles serão apresentados a uma nova faceta que desconhecem: poeta. Neste livro de capa dura e recheado de telas e fotos exclusivas de sua intimidade, Ana Carolina apresenta mais de 50 poesias, prosas e letras inéditas escritas ao longo da sua vida.


Ruído Branco é um livro que nos apresenta várias faces de Ana Carolina. Conhecemos a autora de prosa, a autora de poesia, a compositora, a pintora... Eu, particularmente, nunca tinha visto nada pintado por ela e fiquei hipnotizada pela imagem da tela “Raio de sol”. Queria um dia ter a chance de vê-la pessoalmente.

Normalmente tenho problemas com textos curtos, não escondo isso de ninguém. Mas faço questão de ler livros de pessoas que admiro, então resolvi me arriscar. Claro que não me identifiquei com tudo, mas me identifiquei com bastante coisa.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

[Resenha - Arqueiro] Meio Mundo

Postado por Ju às 15:00 10 comentários
Esta resenha não possui spoilers deste livro ou do livro anterior da trilogia. Caso não tenha lido o primeiro volume, recomendo que pule a sinopse.

Resenha de Meio Rei.

Título: Meio Mundo
Autor: Joe Abercrombie
Tradução: Alves Calado
Livro #2 da trilogia Mar Despedaçado
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 368


Os tolos alardeiam o que vão fazer. Os heróis fazem. Thorn Bathu não é uma garota comum. Mesmo tendo sido criada numa sociedade machista, ela vive para lutar e treina arduamente há anos. Porém, após uma fatalidade, ela é declarada assassina pelo mesmo mestre de armas que deveria prepará-la para as batalhas. Para fugir à sentença de morte, Thorn se vê obrigada a participar de um esquema do ardiloso pai Yarvi, ministro de Gettland. Ao lado dela se encontra Brand, um guerreiro que odeia matar, mas encara a jornada como uma chance de sustentar a irmã e conquistar o respeito de seu povo. A missão dos dois é cruzar meio mundo a bordo de um navio e buscar aliados contra o Rei Supremo, que pretende subjugar todo o Mar Despedaçado. É uma viagem desafiadora, em que Brand precisa provar seu valor e Thorn fará o necessário para honrar a memória do pai e se tornar uma verdadeira guerreira. Guiando os personagens por caminhos tortuosos em busca de amadurecimento e redenção, Joe Abercrombie mais uma vez nos maravilha com uma história grandiosa, que se sustenta sozinha por seu vigor, mas também dá continuidade à saga de Gettland e Yarvi. Finalista do prêmio Locus, Meio mundo deixará o leitor na expectativa do desfecho desta série épica.


A trilogia Mar Despedaçado tem seu foco em Gettland, mais especificamente em sua cidade principal, Thorlby. Lá existe um rei, que se submete ao Rei Supremo, que é considerado algo entre os reis e os deuses. Bem, na opinião dele, ocupa um lugar muito mais importante: está abaixo apenas da Divindade Única, já que não acredita na Fragmentação da Divindade em que grande parte dos reinos acredita, que teria gerado deuses maiores e menores, estando entre os maiores o Pai Paz e a Mãe Guerra.

Embora existam Ministros, que atuam como conselheiros dos reis e têm uma organização muito particular, para lembrar sempre os governantes da importância do Pai Paz, muitos dos reis têm a Mãe Guerra como sua deusa favorita. O Rei Supremo proibiu que guerreiem, mas ao mesmo tempo ataques acontecem a Gettland. O povo de lá não admite mais a situação, e pretende revidar. Só que isso pode fazer com que meio mundo se vire contra o reino.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

[Resenha - Record] Uma longa jornada para casa

Postado por Ju às 16:00 7 comentários

Título: Uma longa jornada para casa
Autor: Saroo Brierley
Tradução: Evandro Ferreira
Editora: Record
Número de páginas: 240


Aos 5 anos, Saroo pede ao irmão mais velho que o deixe acompanhá-lo à cidade onde ele passava os dias em busca de dinheiro e comida. Durante a viagem, o menino adormece. Ao despertar, confuso, se vê sozinho na estação de trem. Ele não sabe onde está o irmão, mas vê um trem parado. Imaginando que Guddu poderia estar lá dentro, Saroo embarca no vagão, e isso o faz atravessar a Índia. Sem saber ler nem escrever, e sem ideia do nome de sua cidade natal ou do próprio sobrenome, ele é obrigado a sobreviver sozinho nas ruas de Calcutá até ser levado para uma agência de adoção e ser escolhido por um casal australiano. Os anos se passam e, ainda que se sinta extremamente agradecido pela nova oportunidade que os Brierleys lhe proporcionaram, Saroo não esquece suas origens. Até que, com o advento do Google Earth, ele tem a oportunidade de procurar pela agulha no palheiro que costumava chamar de casa, e investiga nas imagens de satélite os marcos que poderia reconhecer do pouco que se lembra de sua cidade. Um dia, depois de muito tempo de procura, Saroo encontra o que buscava, mas o que acreditava ser o fim da jornada é apenas um novo começo.


Esse livro chegou de surpresa, e provavelmente eu nunca o teria lido de outra forma. Isso porque ele é baseado na história da vida do autor, e tenho certa resistência com esse tipo de enredo. Mas peguei para dar uma olhada e decidi ler o prólogo, que narra o dia em que, 25 anos depois de ter se perdido, Saroo volta para a Índia em busca de sua família biológica. As poucas páginas me pegaram de jeito e só larguei o livro quando o terminei.

Não sei nem como descrever o quanto a experiência foi enriquecedora, mas também extremamente dolorosa, principalmente no início, na parte em que a infância dele na Índia foi narrada. Apesar das condições precárias em que vivia com a família, em um cômodo minúsculo e achando normal passar fome com frequência, Saroo era feliz ao lado da mãe, dos dois irmãos e da irmãzinha caçula.

Hoje, acho inacreditável - assim como o acham pessoas que visitam a Índia - que alguém possa se lavar ou se banhar em um rio que também serve de esgoto e cemitério, entretanto naquela ocasião não pensei duas vezes. Era um rio, e rios são para isso.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

[Resenha - Darkside] O último adeus

Postado por Ju às 23:30 10 comentários
Título: O último adeus
Autora: Cynthia Hand
Tradução: Carolina Coelho
Editora: Darkside
Número de páginas: 354
Skoob


A autora de fantasia que está encantando leitores com a força de sua escrita lança seu primeiro romance contemporâneo – uma trama comovente e impactante situada nos dias de hoje. Depois de sucessos internacionais como a saga 'Sobrenatural', Cynthia Hand demonstra todo o seu talento numa história sobre perda, culpa e superação. "O Último Adeus" é narrado em primeira pessoa por Lex, uma garota de 18 anos que começa a escrever um diário a pedido do seu terapeuta, como forma de conseguir expressar seus sentimentos retraídos. Há apenas sete semanas, Tyler, seu irmão mais novo, cometeu suicídio, e ela não consegue mais se lembrar de como é se sentir feliz. O divórcio dos seus pais, as provas para entrar na universidade, os gastos com seu carro velho. Ter que lidar com a rotina mergulhada numa apatia profunda é um desafio diário que ela não tem como evitar. E no meio desse vazio, Lex e sua mãe começam a sentir a presença do irmão. Fantasma, loucura ou apenas a saudade falando alto? Eis uma das grandes questões desse livro apaixonante. "O Último Adeus" é sobre o que vem depois da morte, quando todo mundo parece estar seguindo adiante com sua própria vida, menos você. Lex busca uma forma de lidar com seus sentimentos e tem apenas nós, leitores, como amigos e confidentes.


Lex perdeu o irmão há um mês e meio. No dia 20 de dezembro, ele se matou. Já havia tentado antes, sem sucesso, mas ela acreditava que ele estava melhor, todos acreditavam. Só que pelo jeito estavam errados. Ty deixou apenas um post-it com os dizeres: “Desculpa, mãe, mas eu estava muito vazio”.

Existe morte ao nosso redor. Em todos os lugares para onde olhamos. 1,8 pessoa se mata a cada segundo. Só não prestamos atenção. Até começarmos a notar.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

[Divulgação] Lançamentos da Planeta

Postado por Ju às 23:30 5 comentários
Vamos conhecer os lançamentos da Planeta? Em breve resenharei o primeiro livro por aqui. :)

O Guardião Invisível - Dolores Redondo

O corpo de uma adolescente é encontrado às margens do rio Baztán, num pequeno povoado em Navarra, na Espanha, e para desvendar o caso a investigadora Amaia Salazar precisa voltar à sua terra natal, uma região da qual sempre tentou escapar – por motivos que nem seu marido conhece, mas que ainda a atormentam na forma de pesadelos. Amaia sabe que o local, marcado pela inquisição espanhola, é cheio de velhas crenças pagãs. O que ela não imagina é que, com o avanço da investigação e a descoberta de novos corpos, a fronteira entre mitologia e a realidade ficará cada vez mais tênue. O desafio agora é descobrir se os crimes resultam da ação de um serial killer ou de uma criatura mítica conhecida como basajaun, o guardião invisível. Adaptado para o cinema em 2017, o romance O guardião invisível é um thriller impactante que une os misteriosos seres que habitam a mitologia basca com o rigor de uma investigação policial. Foi com este romance que a escritora Dolores Redondo se tornou best-seller internacional.
 

Entre Palcos e Livros Copyright © 2014 Design by Rebecca Barboza RêVivendo